Outras

Diretora assume que achou W Series “sexista” de início, mas crê em “discriminação positiva”

Catherine Bond Muir, diretora executiva da nova W Series, não foi fã da ideia da competição exclusiva só para mulheres em um primeiro momento - mas mudou de opinião e acredita que a categoria será uma porta de entrada para pilotas no automobilismo
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
A W Series foi confirmada em outubro de 2018 e tem previsão de estreia para este ano. Campeonato baseado na Europa que tem como proposta principal formar um grid composto exclusivamente por mulheres, a categoria tem sido alvo de dúvidas e críticas por poder simbolizar retrocesso na luta feminina por espaço no esporte.

Em um primeiro momento, aliás, uma das vozes contra a categoria foi a de Catherine Bond Muir - que hoje é a diretora executiva da W Series. Ou seja: ela mudou de ideia. E, em entrevista ao 'Soy Motor', explicou as razões.

"Me dediquei a investigar e minha primeira conclusão foi a de que era uma ideia sexista", disse ela. "Porque mulheres e homens podem competir juntos, não há razão para se fazer uma sepração."

"Mas encontrei coisas interessantes, como o fato de que o número de mulheres diminui a partir da F4. Parece que existe um teto de cristal para o nível da F3. Temos 95% de homens competindo em monopostos. Então não creio que eles precisam de ajuda para chegar ali, mas nós sim", continuou.
Apresentação da W Series (Foto: Twitter/Catherine Bond Muir)
Segundo Muir, a W Series aplica a "discrminação positiva" (quando se selecionam pessoas em situação de desvantagem para que possam diminuir essa diferença com base em tratamento vantajoso) para que mais mulheres possam competir no automobilismo.

"Não acreditamos em segregação, acreditamos é na ação e é isso que vamos fazer. Não proibimos que nenhuma de nossas pilotas compitam contra homens, na verdade apoiamos que assim o façam", afirmou.

Por fim, a dirigente deixou claro que está apressada em colocar a categoria na pista: "Nossa ação imediata é colocar 18 meninas no grid. Vamos ter mais mulheres competindo no nível da F3. De que outra maneira poderíamos ter 18 garotas em um grid por uma temporada completa?", finalizou.

A temporada de estreia da W Series servirá como suporte ao DTM. Serão seis corridas no campeonato inaugural e a primeira etapa ocorre nos dias 4 e 5 de maio, em Hockenheim.