Endurance

Gomes comemora pole em Daytona e ressalta competitividade da classe GTD: “É a mais difícil”

Marcos Gomes levou a equipe brasileira Via Italia à pole-position da classe GTD nas 24 Horas de Daytona. Com direito a recorde, o campeão da Stock Car em 2015 garantiu a posição de honra para a categoria “mais difícil porque temos o maior número de carros”, declarou o ribeirão-pretano
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
A sessão classificatória das 24 Horas de Daytona, realizada na última quinta-feira (24), marcou a quebra do histórico recorde da pista, agora pertencente ao pole Oliver Jarvis, da Mazda, que garantiu a pole na classe DPi. E também representou a conquista de uma posição de honra para o Brasil no templo norte-americano da velocidade. Marcos Gomes, com a Ferrari 488 GT3 #13 da equipe Via Italia, quebrou o recorde da categoria e teve muitos motivos para comemorar.
 
A antiga marca pertencia a Daniel Serra, que estabeleceu 1min46s049 com a Ferrari 488 GT3 da equipe Spirit of Race no ano passado. Gomes cravou 1min45s257, liderando uma fila de nove carros abaixo do antigo recorde da categoria.
 
Gomes forma a tripulação da Ferrari #13 da Via Italia ao lado de Chico Longo, campeão do último Endurance Brasil, Victor Franzoni e o italiano Andrea Bertolini. 
Marcos Gomes festeja a pole-position das 24 Horas de Daytona na classe GTD (Foto: Reprodução/Twitter)
Curiosamente, Gomes vai formar a primeira fila da classe ao lado do ex-companheiro de equipe na Stock Car, Felipe Fraga. O jovem piloto, campeão em 2016, corre em Daytona pela equipe Riley Motorsports, tendo ao seu lado Ben Keating, Lucas Stolz e Jeroen Bleekemolen a bordo de um Mercedes AMG GT3.
 
“É a minha terceira vez em Daytona. Fui melhorando a cada vez que ia para a pista”, relatou o piloto logo depois de confirmar a pole na GTD. Gomes, campeão da Stock Car em 2015, ressaltou a dificuldade da classe, que conta com o maior número de inscritos: 23 carros, contra nove da GTLM, quatro da LMP2 e 11 da principal categoria do grid, a DPi.
 
“A classe GTD é a mais difícil porque temos o maior número de carros, e é a mais competitiva também. Lutar pela vitória no sábado e no domingo vai ser muito difícil para todos os pilotos e todas as equipes da classe”, salientou Gomes.
 
Serra, por sua vez, vai ver seu carro largando em quinto na classe GTD nesta edição das 24 Horas de Daytona. Mathias Lauda foi o responsável por classificar a Ferrari 488 GT3 #51 da Spirit of Race, que conta também com Paul Dalla Lana e o luso Pedro Lamy. Bia Figueiredo obteve o 11º lugar no grid na classe, formando um esquadrão totalmente feminino ao lado de Katherine Legge, Simona de Silvestro e Christina Nielsen a bordo de um Acura NSX GT3 da equipe Meyer Shank.